Manifestantes sem-terra e trabalhadores do campo ocuparam o térreo do Ministério do Planejamento, em Brasília, na madrugada desta terça-feira (17). O protesto é para cobrar reforma agrária e mais verba para políticas de terra e agricultura familiar.

De acordo com o Movimento Sem Terra (MST), cerca de mil pessoas participaram do ato. Segundo a Polícia Militar, o protesto juntou aproximadamente 400 pessoas e seguiu pacífico. “Eles cortaram o cadeado da entrada principal”, informou a corporação. Até a última atualização desta reportagem, o grupo seguia no local.

Ainda segundo o MST, “o atual projeto de lei orçamentário de 2018 corta de forma abrupta o orçamento de diversas políticas públicas para a reforma agrária e agricultura familiar”.
Segundo o Ministério do Planejamento, o expediente foi comprometido, uma vez que “ninguém entra e ninguém sai”. O órgão disse que iria buscar a reintegração de posse do prédio.

O protesto ocorre após o Dia Mundial da Alimentação, que ocorreu na segunda (16). No entendimento dos manifestantes, deve ser feita uma mudança no modelo de agricultura, saindo da atual agricultura, considerada por eles como “envenenada”, para uma agricultura agroecológica.

A manifestação aconteceu de forma simultânea em outros locais do país, como Santa Catarina, Mato Grosso, Paraná e Pernambuco e Rio Grande do Sul.