O Portal em movimento

O Portal em movimento

Deputados Maranheses comentam decisão do STF sobre prisões

Posição do STF sobre prisões após decisões de 2º grau repercute

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que autoriza a prisão de réus já em segunda instância judicial – sem aguardar o trânsito em julgado da sentença e o esgotamento de todos os recursos – repercutiu fortemente não apenas entre os meios do judiciário, mas, também, entre a classe política.

No caso em análise pela Corte, na quarta-feira, 17, entendeu-se válido ato do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) que, ao negar recurso, determinou o início da execução da pena imposta a um condenado por roubo qualificado.

A decisão tomada na semana passada altera entendimento anterior da Corte sobre a matéria, que condicionava a execução da pena ao trânsito em julgado da condenação, mas ressalvava a possibilidade de prisão preventiva.

Membros da bancada maranhense na Câmara dos Deputados e deputados estaduais opinaram sobre o assunto em entrevistas a O Estado nos últimos três dias.

Opiniões dos deputados maranhenses (Reprodução Jornal O Estado)
Opiniões dos deputados maranhenses (Reprodução Jornal O Estado)

O entendimento majoritário é de que a decisão foi acertada sob o ponto de vista da diminuição da impunidade no país. A maioria dos entrevistados entende que a medida é uma nova arma na luta contra condenados criminalmente que apoiam-se em incontáveis recursos para evitar cumprir as penas. Há, contudo, ressalvas.

“Acho que foi uma decisão acertada, porque é um golpe na impunidade no Brasil. Quanto a isso não há dúvidas. A grande discussão, agora, é sobre se o que vale é o que diz a Constituição Federal, que é expressa quando diz que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sua sentença, ou o que o STF entende da Constituição”, destacou o deputado federal Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

Protelatórios

deputado-hildo-rocha
Hildo Rocha (Foto: Divulgação)

hildoPara o deputado Hildo Rocha (PMDB), a decisão dá fim ao uso de recursos meramente protelatórios para que sejam evitadas prisões.

“Creio ser correta a decisão da nossa Suprema Corte, pois muitas pessoas já condenadas criminalmente em segunda instância utilizavam-se de recursos protelatórios para evitar a reclusão”, disse.

Opinião parecida têm os deputados Pedro Fernandes (PTB) e Aluisio Mendes (PTN).

“Acho correta a decisão. Os tribunais superiores estão cheios de recursos protelatórios”, ressaltou Fernandes.

Para Aluisio, além de gerar sensação de impunidade na população, o uso de recursos para evitar prisões “estimula o crime”.

“Muitos desses condenados por crimes graves não cumprem suas penas que acabam prescrevendo em função da interposição de incontáveis recursos. Com essa decisão, o Supremo dá uma clara demonstração da necessidade urgente de uma revisão no sistema judicial brasileiro e na reformulação da forma de cumprimento das penas no país, o que defendo a muito tempo”, comentou.

MAIS

Voz dissonante

O deputado André Fufuca (PEN) é uma voz dissonante no debate sobre o tema entre a bancada federal maranhense. Para ele, a decisão apenas aumentará a população carcerária e não resolverá o problema da criminalidade. “O Brasil já tem mais de meio milhão de presos, em um sistema penitenciário falido. Aumentar esse número não diminui a criminalidade. E o pior, pode acarretar injustiças”, declarou.

Líderes divergem

deputada-andrea-murad
Andrea Murad (Foto: Divulgação)

A líder da oposição na Assembleia, deputada estadual Andrea Murad (PMDB), se disse “preocupada” com a decisão do Supremo Tribunal federal (STF).

Para a peemedebista – que cita um dado segundo o qual três de cada dez condenados criminalmente são considerados inocentes por tribunais superiores – pode haver injustiças.

“O que diremos a esses inocentes que cumprirão pena em função dessa decisão?”, questiona.

Andrea acredita que “talvez a solução mais justa seria elaborar mecanismos para que os recursos tivessem um tempo máximo para o julgamento, garantindo os direitos e a presunção de inocência das pessoas como está assegurado na nossa Constituição”.

Rogério Cafeteria (Foto: Divulagação)
Rogério Cafeteria (Foto: Divulagação)

Já o líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Rogério Cafeteira (PSC), vê na medida uma resposta à sociedade.

“Acho boa [a decisão do STF], até porque tira um pouco da sensação de impunibilidade das pessoas. A sociedade tem a sensação de que, principalmente pessoas ricas, ou autoridades, ficam protelando determinados processos para responder em liberdade e, em algumas vezes, até prescrever [a ação]”, completou.

Nos siga no Google Notícias
Redação Grajaú de Fato
Redação Grajaú de Fatohttps://grajaudefato.com.br
O portal em movimento, é um jornal online sobre notícias do município de Grajaú e região.

Comentários

Continue Lendo

- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

01:56:38

Em programa especial sobre os 211 anos de Grajaú, TV Sinteegra On-line desta economia do município

Na manhã sexta-feira (29/04), data comemorativa do Aniversário do Município de Grajaú, neste ano completando 211 anos de fundação,...
- PUBLICIDADE -