Cerca de 250 pessoas participaram do Seminário das Águas Bacia do Mearim,em Formosa da Serra Negra (Foto: Divulgação Sebrae)

Em uma realização do Sebrae Maranhão e parceiros, o município de Formosa da Serra Negra foi palco, na última semana, de um grande fórum de discussões em torno do Rio Mearim, sob a perspectiva de sua importância econômica para o estado. As discussões ocorreram durante o Seminário das Águas Bacia do Mearim, com vasta programação que durou um dia inteiro.

Com o tema Grande Desenvolvimento Econômico para o Maranhão, o evento reuniu um público de 250 pessoas, dentre proprietários de pequenos negócios rurais e urbanos que se utilizam das águas do rio, representantes da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA), Eneva, Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Mearim, Prefeitura de Formosa da Serra Negra e Grajaú, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IFMA), Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), equipes técnicas do Sebrae das unidades regionais de Balsas e Presidente Dutra, além de caravanas vindas de Arari, São Luís Gonzaga e Pedreiras.

O município de Formosa da Serra Negra foi escolhido para sediar o evento por integrar uma região rica em serras, nascentes, riachos, rios e cachoeiras e, principalmente, por ser nascente do Rio Mearim. Dado o seu potencial turístico, o município recentemente entrou no novo Mapa do Turismo Brasileiro, fator também considerado na escolha para sediar o evento.

A sustentabilidade ambiental conduziu as discussões que apontaram soluções para as problemáticas do Mearim, com uso de inovação para enfrentar os desafios ao uso da água, tecnologia e habilitação ambiental, bem como da utilização responsável dos recursos hídricos provenientes desta importante bacia hidrográfica que é o principal estuário do Golfão Maranhense.

Para o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins, a realização do evento demonstra a preocupação do Sebrae com as questões ambientais, além da sustentabilidade das famílias ribeirinhas. “O Sebrae está atento às problemáticas do Mearim e à necessidade urgente da união e envolvimento do setor público e iniciativa privada para assumir o desafio de proteger e melhorar a qualidade da água dos rios, lagos, aquíferos e torneiras naturais, bem como promover ações corretivas e preventivas para alcançar uma melhor gestão dos escassos recursos de água potável, com foco particular na oferta e na demanda, quantidade e qualidade”, afirmou o executivo.

A programação contou com sete palestras, discutindo a preservação das nascentes, a importância de seus afluentes, recursos hídricos, inovação como oportunidade e o turismo. “A partir de agora temos produtores bem mais informados e motivados a melhorarem cada vez mais o seu potencial produtivo. Apontamos aos ribeirinhos metodologias que trarão mais eficiência no uso racional e responsável da água, assim como buscamos despertar o potencial empreendedor para possibilitar mais trabalho e renda para as famílias”, destacou Martins.

Para o diretor do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Mearim, Wilton Lopes, discutir a questão das águas demonstra existência de uma reflexão mais ampla. “Essa temática conclama a sociedade a pensar a questão do uso da água para gerações futuras e a sustentabilidade do rio para que as gerações futuras possam usufruir do Mearim e de tudo o que pode oferecer”, relatou.

Na abertura do seminário, a secretária de Desenvolvimento Humano de Formosa, Iris Barros, o secretário de Meio Ambiente de Formosa, Francisco Silva, o gerente regional do Sebrae em Presidente Dutra, André Veras, o prefeito de Grajaú Mercial Arruda, o prefeito de Formosa da Serra Negra, Janes Clei Silva e gerente regional do Sebrae em Balsas, Cecília Salata (Foto: Divulgação Sebrae)

Turismo

Dada a importância do turismo como atividade econômica e fator de desenvolvimento territorial, o seminário também contou com essas discussões sobre o setor. Na ocasião, a gerente regional do Sebrae em Balsas, Cecília Salata, apontou oportunidades de negócios que podem surgir dentro das propriedades rurais e que muitas vezes passam despercebidas.

“O turista aprecia as coisas mais simples do seu cotidiano, desde a colheita de uma fruta nativa a um banho de cachoeira. O que o visitante pode encontrar em sua propriedade, para que ele se sinta atraído a visitá-la? Isso tudo é válido pensar como forma de oportunidades de negócios”, considerou a gestora.

A região, ainda pouco explorada, teve recentemente Formosa da Serra Negra incluída no novo Mapa do Turismo Brasileiro. Trata-se da região turística do Polo Serras Guajajara, Timbira e Canela que integra oito cidades do estado: Arame, Barra do Corda, Fernando Falcão, Formosa da Serra Negra, Grajaú, Itaipava do Grajaú, Jenipapo dos Vieiras e Sítio Novo.

Ecoinovação

Discutir os recursos hídricos da bacia do Mearim dentro do contexto das atividades mercadológicas exploradas a partir dele, considerando o prisma da ecoinovação, também foi a proposta do Sebrae com Seminário das Águas. Trata-se de uma nova abordagem, com diferentes técnicas, ferramentas e soluções para produtos, processos, mercado e estrutura organizacional, capazes de elevar o desempenho das empresas e sua competividade, sem afetar a sua sustentabilidade.

“O Sebrae entende que é preciso valorizar esse recurso que alimenta o crescimento dos dois maiores pilares do desenvolvimento do estado do Maranhão, a indústria e a agricultura. O evento conseguiu alcançar o seu objetivo, reunir representantes de várias instituições de preservação do meio ambiente para mostrar aos empreendedores da região que é possível formatar novos modelos de negócios preservando os recursos hídricos que são a base do crescimento da região e daqui está saindo várias demandas que serão dadas andamento para obtermos resultados ainda maiores”, concluiu o diretor superintendente do Sebrae no Maranhão, João Martins.

Comentários

Todo o conteúdo exposto por comentários nas matérias deste site é de responsabilidade de seus respectivos autores. Por favor leia nossa Política de comentários antes de comentar.