Governador de Goiás, Marconi Perillo, anuncia criação de força-tarefa para combater violência em Goiás

0
497

O governador Marconi Perillo anunciou que a Segurança Pública do Estado contará com atuação mais rigorosa. Em entrevista coletiva, concedida na manhã desta quarta-feira (24/2), ele informou a criação de uma força-tarefa que vai trabalhar no combate à violência. “Nosso lema será #GoiásComVida. Será uma verdadeira cruzada pela paz”, disse.

Antes de falar com a imprensa, Marconi se reuniu com a cúpula da Segurança Pública a portas fechadas. O encontro acontece dois dias depois que a estudante Nathália Zucatelli foi morta com um tiro no peito quando deixava o cursinho pré-vestibular, no Setor Marista. A jovem morava em Rondônia e havia chegado a Goiânia há poucos dias para estudar.

A elaboração de tal força-tarefa foi discutida com a presença da secretária da Fazenda, Ana Carla Abrão; do presidente do Tribunal de Justiça de Goiás, desembargador Leobino Valente; do procurador-geral de Justiça, Lauro Machado; do procurador-geral do Estado, Alexandre Tocantins; além de representante da OAB-GO e o chefe do Gabinete Militar do governo, coronel Adailton.

“A Polícia vai atuar com mais rigor ainda para dar paz às famílias e não permitir que os bandidos tirem o sossego do trabalhador e da família goiana”, disse o governador ao detalhar que a força-tarefa se reunirá pelo menos uma vez por mês.

Na coletiva, Marconi se solidarizou com a família de Nathália e de policiais assassinados nas últimas semanas. “Perdas irreparáveis. Nossa determinação é para que os casos sejam solucionados o quanto antes. Sei que não vai amenizar a dor das perdas, mas garanto que as investigações serão intensificadas”, frisou.

Medidas

Marconi falou sobre os investimentos realizados na área por sua gestão e indicou a possibilidade de reforçar o efetivo policial.

“Vou me reunir com os secretários da Fazenda e de Segurança novamente para definirmos a contratação de mais policiais e sobre a realização de novos concursos para a área, mas os números eu prefiro citar após esse encontro, que será decisivo. Eu quero que fique claro que só faremos novos chamamentos se tivermos a certeza de que conseguiremos pagar os salários desse pessoal”, pontuou.

Quando questionado sobre a troca de comando da Segurança Pública, o governador informou que não cogita a hipótese e que o secretário Joaquim Mesquita continua à frente da pasta.

Ainda durante a coletiva, o governador tornou a dizer que a Segurança Pública precisa ter investimentos compartilhados. “Enviaremos uma carta para a presidente Dilma Rousseff. Não é possível que os estados fiquem sozinhos investindo em segurança. É necessário que a União entre em investimentos junto aos estados para aumentar o contingente policial e invista em novas penitenciárias”.