Logo nos primeiros anos de vida é necessário cuidar dos dentes. Por volta dos 6 anos de idade ocorre a erupção do primeiro molar permanente e a criança, nessa fase, terá uma dentição mista com a presença de dentes decíduos e permanentes. “Aos 12 anos, a erupção dos dentes permanentes é concluída, faltando apenas o terceiro molar, esse que pode aparecer entre 17 e 30 anos de idade”, explica a cirurgiã dentista, Dra. Bruna Teixeira, 25 anos, proprietária da Clínica Ateliê Odontológico, no centro de Grajaú.

Os cuidados são variados hoje em dia. Foi-se o tempo, portanto, em que éramos obrigados a arrancar os dentes quando a dor parecia nos tirar o sossego. Uma boa escovação três vezes ao dia; uso de fio dental; redução do consumo de açúcar e visitas regulares ao dentista são essenciais e como resultado temos dentes fortes e belos por muitos anos.

Vilões

Em toda essa história, a placa bacteriana é o grande vilão da busca pela dentição saudável. Para combatê-la as ferramentas citadas acima devem ser usadas de maneira adequada. O fio dental remove os restos de alimentos; a escova promove a limpeza e proteção; há ainda os enxaguantes bucais. Estes merecem uma atenção especial e consulta ao dentista antes e usá-lo. Essas ferramentas são indispensáveis para quem deseja conservar os dentes por longos anos. Caso esses cuidados não sejam observados, vilões como a gengivite (inflamação da gengiva), por exemplo, podem ameaçar o sonho da dentição saudável.

Mais um vilão? A sensibilidade dental. Se ao triscar o dedo no dente ou uma escova, ou ainda alimentos no dente incomodam bastante com dores, saiba que você pode estar com dentes sensíveis, causados pela exposição da estrutura do dente debaixo do esmalte ou ainda o tecido que recobre a raiz (cimento).

Ter dentes fortes só depende de você. Uma boa nutrição pode colaborar bastante. Cuidado com alimentos ácidos (limão, abacaxi, os cítricos em geral). Com aqueles que contêm muito açúcar (doces, balas, chicletes). Frutas, legumes e verduras, além de saudáveis, ajudam na limpeza da superfície dos dentes. E como todos já sabem: o uso constante de cigarros é prejudicial à saúde bucal.


Dentes decíduos – São os conhecidos dentes de leite, ou seja, a dentição provisória que é substituída pelos permanentes por volta dos 12 anos de idade.

Visitas regulares ao dentista – São fundamentais, pois mesmo cuidando dos dentes, a pessoa é sujeita a usar de maneira errada alguns produtos como enxaguantes bucais, por exemplo, que, sem consulta ao dentista podem acarretar problemas ao indivíduo.

Gengivite – Inflamação da gengiva causada pelo acúmulo de placa bacteriana.

ENTREVISTA
Dra. BRUNA TEIXEIRA



A partir de que idade os dentes passam a ser permanentes?

A partir dos 6 anos de idade ocorre a erupção do primeiro molar permanente, dando início à dentição mista, a qual é caracterizada pela presença de dentes decíduos e permanentes na cavidade bucal.  Lembrando que para a erupção desse dente, não há esfoliação de nenhum outro dente, por isso muitas vezes os pais acabam confundindo esse molar com dente decíduo (“dente de leite”). Em média aos 12 anos de idade, a erupção dos dentes permanentes é concluída, faltando apenas o 3° molar, esse que pode aparecer entre 17 e 30 anos.

Quais os principais cuidados para proteger os dentes permanentes?

Os cuidados com o dentes decíduos se estendem aos permanentes. Uma boa escovação, realizada no mínimo três vezes ao dia; uso de fio dental; redução do consumo de açúcar. Não se esquecendo da visita regular ao dentista. Todos esses cuidados são essenciais para uma boa saúde bucal.

Quais as ferramentas mais úteis para cuidar dos dentes: escova, fio dental ou enxaguantes bucais?

Todos são úteis, pois um completa o outro. Para a remoção eficiente da placa bacteriana é necessário o uso do fio dental, esse irá remover os restos de alimentos que se encontram entre os dentes. Segue-se então com o uso da escova, essa deverá ter cerdas bem macias, e por fim pode ser usado o enxaguante bucal. A respeito do enxaguante bucal, esse não deverá ser usado de forma indiscriminada, pois a maioria possui álcool em sua fórmula, ou ainda quantidade de flúor, sendo assim, o uso excessivo do mesmo, pode acarretar problemas ao indivíduo. A melhor opção é conversar com seu dentista e receber orientação sobre como e qual enxaguante usar.

Quais vícios são mais prejudiciais à saúde bucal?

Vários são os vícios que são prejudiciais, dentre eles podemos citar o tabagismo (uso de cigarro), bem comum em nosso meio. O uso constante de tabaco é altamente prejudicial à saúde bucal. É um fator de risco para diversas doenças, causando enormes danos como: câncer bucal, mancha dos dentes e da gengiva, halitose (mau hálito), diminuição da produção de saliva e periodontite. Contribuindo ainda para a diminuição da cicatrização dos tecidos bucais. Portanto, devemos deixar bem claro que cigarro não combina com uma boa saúde bucal.

Entrevista publicada na edição 18, do Jornal Grajaú de Fato

Comentários

Todo o conteúdo exposto por comentários nas matérias deste site é de responsabilidade de seus respectivos autores. Por favor leia nossa Política de comentários antes de comentar.