Segundo vários autores, a Festa do Divino foi sofrendo transformações paulatinamente

A Festa do Divino Espírito Santo é um dos acontecimentos mais recorrentes em todos os calendários turísticos e culturais brasileiros. Sua realização, contudo, parece adquirir maior relevância em regiões de colonização mais recente, como é o caso do Centro-Oeste brasileiro, onde dentre outras festas, ela é a mais constante nos calendários das cidades. Pouco se sabe sobre sua origem como evento no Brasil, há hipóteses de que ela veio com os portugueses no período colonial, trazida pelos missionários jesuítas e primeiros colonos, quando era efusivamente comemorada.

Segundo vários autores, a Festa do Divino foi sofrendo transformações paulatinamente, “decaindo” na preferência popular por alguns anos, devido, talvez, ao empobrecimento das regiões onde se solidificaram como forma de culto ao Espírito Santo, pois ela parece ter tido início, no Brasil, nas áreas de mineração do ouro, como Minas Gerais e Goiás.

Organização

São pequenos grupos, que, com suas jornadas, participam da preparação das Festas do Divino, visitando as casas das zonas rural e urbana, cantando os feitos e os poderes do Divino Espírito Santo, recolhendo donativos, sempre abundantes, para sua celebração, percorrendo assim, as comunidades de canto a canto, anunciando a festa e avivando a fé no Divino.

O evento é uma manifestação popular, onde se unem a espiritualidade e o folclore, para agradecer ao Espírito Santo os dons e as graças recebidas.

Divino em Grajaú

Essa devoção nasceu na década de 80 incentivada por dona Espírito Santo, como era chamada a avó da senhora Mundiquinha. Após sua morte, sua filha Antonina Santos deu continuidade à devoção rezando a novena em sua residência na Rua da Madeira, hoje Rua São Paulo do Norte. Sua casa ficava em frente ao Colégio Urbano Santos. Os netos de dona Espírito Santo preservam a tradição, rezando a novena do Divino em suas residências. A pombinha que fica em casinha (ver foto) da época, se encontra na casa de umas das netas na cidade de Brasília (DF).

Por muitos anos essa manifestação ficou esquecida na cidade de Grajaú, mas com o apoio e incentivo da secretaria municipal de Cultura, em 2006 um grupo de pessoas da comunidade deu inicio ao resgate dessa manisfestação de cunho cultural e religioso.

Para a secretária de cultura, Rosa Soraida, só foi possível resgatar a tradição por meio de pesquisas e de pessoas que vivenciaram esta festa tempos atrás.

No dia 02 de maio aconteceu em frente à Igreja Catedral Nosso Senhor do Bonfim a abertura do festejo do Divino Espírito Santo com a participação da Banda Municipal “Maestro Torquato Lima”, seguida da primeira visita às casas do centro da cidade.

A programação acontece todos os dias na Grota da Luz “Frei Alberto Beretta”, na rua Patrocínio Jorge, com a reza do terço, seguida das visitas às casas no centro da cidade e nos bairros Canoeiro e Expoagra. Este ano haverá palestras e visitas do Divino Espírito Santo à algumas escolas do município.

Para Luizia Mendes, integrante do grupo, “essa manifestação cultural precisa ser conhecida e difundida no meio da juventude grajauense para que ela não seja esquecida pelas gerações futuras”, disse.

 O encerramento será no dia 11 de maio, domingo, festa de Pentecostes com santa missa na Igreja Catedral. A secretária de cultura Rosa Soraida, disse ainda, que “as ofertas arrecadadas serão destinadas aos pobres por meio de cestas básicas que serão distribuídas nos bairros”.