Laureana enumerou os cargos do pessoal do setor administrativo que ainda não foram chamados

Sob orientação do prefeito Mercial Lima de Arruda, a diretora do setor de pessoal da Prefeitura Municipal de Grajaú, Laureana Santos de Sousa, falou exclusivamente com a equipe do portal de notícias, Grajaú de Fato, a respeito da demora nas convocações de alguns cargos do concurso público realizado no final de 2007.

De acordo com Laureana, os aprovados na área de saúde estão sendo priorizados nas convocações devido às urgentes necessidades médicas do município no momento. “Na área da saúde foram convocados 11 médicos para assumir os cargos de auditoria, cardiologia, ginecologia, cirurgiã, oncologia, psiquiatria, pediatria, otorrino, urologia, veterinária e nutricionista; além de três ortopedistas, cinco odontólogos, dois psicólogos e um técnico em laboratório”, enumerou. Laureana lembrou ainda que falta um bioquímico para ser convocado.


Aprovados na área educativa

A maior dificuldade que a prefeitura está encontrando para convocar os aprovados na área educativa, segundo a diretora do departamento de pessoal, é na apresentação dos documentos e nos exames médicos. “Estão sendo detectados problemas com muitos aprovados em relação à saúde e isso vem dificultando nosso trabalho. No parecer médico, a deficiência deve corresponder ao trabalho que o profissional irá assumir”, afirmou. “Mas 21 pedagogos, professores de educação física e fiscais de tributos, já foram chamados para assumir seus cargos”, lembrou.


Área administrativa

Laureana enumerou os cargos do pessoal do setor administrativo que ainda não foram chamados, sem revelar datas para as convocações, afirmou que todos serão chamados logo após os cargos mais urgentes como saúde e educação tiverem sido todos preenchidos, fato que continuará a deixar os concursados à deriva. São eles: fiscal ambiental, engenheiros, arquitetos, técnico agrícola, técnico em edificações, administrador, administrador hospitalar, antropólogo, bacharel em biblioteconomia, bacharel em ciências da computação, bacharel em turismo, biólogo, contador, economista entre outros.

As distâncias dificultam as convocações

Para Laureana, os aprovados na área educativa estão dificultando os trabalhos da prefeitura, porque muitos não querem assumir seus cargos nos locais aos quais se inscreveram antes das provas. “Antes do concurso, quando a prefeitura contratava professores, até nos tapas as pessoas disputavam vagas, agora porque é concurso não estamos conseguindo alocar os profissionais para as regiões que estamos precisando, pois eles só querem ficar na sede ou em regiões vizinhas”, alfinetou.

Para resolver o problema, a prefeitura vai ceder aos professores os mesmos carros que levam alunos e a merenda escolar, para transportá-los todos os dias, como também reservar aos primeiros convocados as regiões mais próximas da zona urbana de Grajaú.

Horários compatíveis com a disponibilidade dos aprovados também vêm atrapalhando a conclusão das convocações. “Sabemos que a maioria dos profissionais da educação têm dois ou três empregos e se encontram sem horários disponíveis para assumir o cargo do concurso que prestou”, lamentou.

Laureana afirmou que os aprovados não perderão os cargos que têm direito, mesmo que não tenham disponibilidade para assumi-lo e lembrou que os concursados devem fazer uma opção de assumir ou não o cargo. De acordo com a diretora, mais de 600 servidores já foram chamados e os cargos para deficientes já foram todos preenchidos.