Situação do mais antigo hospital de Grajaú pode ficar pior e população é quem poderá sofrer as consequências

O grajauense e demais cidadãos da região centro-sul maranhense não começaram o ano de 2015 com o pé direito. Pelo menos no que diz respeito à saúde. Fechados na segunda-feira (12), os serviços obstetrícios do Hospital São Francisco não serão a única preocupação de agora em diante.

Ouvido pelo Grajaú de Fato, o diretor do Hospital São Francisco de Assis, Aleksander Costa, declarou que além dos serviços obstetrícios, toda a unidade de saúde poderá fechar as portas. “Com a inflação tudo subiu e desde a gestão municipal passada os recursos que eram de R$ 280 mil (gestão Mercial), reduziram para R$ 220 (gestão Júnior Otsuka) e agora está em R$ 240 mil (valor atual). Vou ter que me virar com um déficit de R$ 50 a 60 mil e ver como o hospital reage; se não reagir vamos fechar todos os serviços”, declarou.

Mais problemas

Outro problema que afeta a unidade de saúde é o débito de mais de R$ 1,2 milhão deixados pelas gestões dos ex-prefeitos Mercial Lima de Arruda e Bernadeth Nogueira. A dívida corre na justiça. Além disso, dificulta ainda mais a situação do Hospital São Francisco os repasses do IAC (Incentivo de Adesão a Contratualização) que estão sendo segurados pela Prefeitura desde dezembro de 2013, quando o Governo Federal destinou R$ 133.674,16 (cento e trinta mil reais, seiscentos e setenta e quatro reais e dezesseis centavos) exclusivamente ao hospital. O valor foi dividido em três parcelas, sendo que a última foi deposita pelo Ministério da Saúde no último mês de março de 2014.