Na manhã desta terça-feira (10), funcionários do Hospital São Francisco de Assis participaram da sessão plenária da Câmara Municipal de Vereadores. Com nariz de palhaço, eles acompanharam os discursos dos parlamentares.

Telmiston Carvalho, após dez minutos na tribuna, se dirigiu uma única vez aos funcionários do HSF, dizendo a seguinte frase: “Estamos juntos, contem com essa casa”.

Já Clóvis Pombo (PT) saiu em defesa do HSF, lembrou da história do fundador da unidade de saúde, Frei Alberto Beretta, a quem destacou como “figura fundamental para o desenvolvimento de Grajaú”. Pombo também se referiu ao Frei Lauro Crivellaro, frade capuchinho que vive em Grajaú desde a década de 1940. “Trabalhador que transforma pouco dinheiro em mudança de vida para os mais carentes”.

Comentou o fechamento da maternidade e declarou que “o Município está devendo R$ 133 mil ao Hospital São Francisco”. Disse ainda que “não tem como os serviços obstetrícios funcionarem sem anestesista. Eu tive com o diretor e ele me mostrou os comprovantes de que realmente está faltando dinheiro por parte da Prefeitura”, afirmou.

Oposição
Elisabete Nogueira (PV) cobrou posição da Câmara Municipal sobre a situação. “É triste ver a melhor maternidade de Grajaú fechada, essa casa precisa tomar parte no problema”, enquanto José Jairo (PMDB), líder da oposição na casa, tachou Júnior Otsuka de prefeito do ‘fecha’. “Já fechou 40 escolas, está deixando a maternidade fechar. Não estão mais mandando requisição de ultrassom ao São Francisco, serviço que também irá acabar. Na Secretaria de Saúde estão dizendo que o hospital não quer atender ninguém pela maternidade. Mentindo para o povo carente que precisa de saúde. Falta diálogo. O prefeito nunca sentou para tratar do assunto e o secretário de saúde só se preocupa com dinheiro”.